Desta vez temos tempo…

Em 2011 tínhamos tempo, mas ela não percebia. Tentávamos explicar-lhe, mas era pequenina demais para perceber a dimensão do que ia acontecer.

Em 2013, num dia dizíamos que íamos ficar por ali e renegociávamos o contracto com o senhorio e no outro o resultado de umas análises de rotina, levam-nos a largar tudo e a regressar de emergência. Ela percebia mais ou menos, mas houve pouco tempo para explicar.

Em 2014, ela percebia e nós explicámos, ou tentámos, mas houve tanta, tanta coisa que as explicações eram tão difíceis de entender como de dar…  E, mais uma vez, parecia que tempo era coisa que escasseava…

Agora, pela primeira vez, temos tempo. E ela percebe e bem. E, por isso, ter tempo é muito, muito bom. Tempo para gritar que não quer, que é injusto, que agora é que era bom e que quer mais. Tempo para fazer despedidas e encerrar capítulos. Tempo para fazer festas e mimos, gritar, chorar e rir. Mas também tempo para explorar, fazer milhões de perguntas e sonhar com o que há-de vir.

Advertisements

Para onde vamos?

Para quem anda nesta vida de caracol com a casa às costas, há sempre aquela altura do ano em que parece que toda a gente se vai embora. As pessoas chegam e partem em ciclos. Partem com o início do Verão, chegam com fim do mesmo. Entre a curiosidade de partir rumo à nova aventura e a saudade antecipada pelo que se deixa, é um momento com um sabor agridoce para quem parte e para quem fica.

Este fim-de-semana demos início a esta “época de despedidas”. Quatro no total. E uma festa de anos. No meio deste corrupio, entre uma festa e outra, fizemos uma pausa para almoçar, só os quatro. A Carolina encontra uma amiga no restaurante e vai conversar com ela.

Ficamos nós a terminar o nosso café, tranquilos, enquanto o Gabriel dorme a sesta no carrinho. De repente, chega apressada e sai-se com:

“- A seguir para onde vamos? 

– Então, ainda agora dissemos. Vamos descansar um bocadinho a casa, depois vais para a tua festa e o Gabriel vai para a dele…

– Não! Para que país!?

– Ah!… Moçambique!”

 

E pronto, também ela já entrou no frenesim…